De acordo com o índice global de segurança cibernética da ONU, realizado em 2020, o Brasil saiu do 71º lugar para 18º lugar. O país avançou 53 posições. O estudo avaliou quais medidas os governos adotaram para aumentar a segurança digital e encarar possíveis ataques cibernéticos em suas páginas eletrônicas, envolvendo medidas legais, técnicas, organizacionais, capacitatórias e de cooperação.

No último ano, o número de ataques cibernéticos aumentou em todos os setores, cerca de 8.4bilhões, fazendo até com que o STF derrubasse sua página para evitar possíveis invasões. O governo disponibiliza mais de dois mil serviços digitais, com duplo fator de autenticação e o país já possui Política Nacional de Segurança da Informação, da Estratégia Nacional de Segurança Cibernética e da Estratégia Nacional de Segurança das Infraestruturas Críticas, envolvendo órgãos públicos como Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação e outros.

As invasões ocorrem por várias formas, e o phishing é a mais conhecida. Os criminosos simulam páginas ou e-mails semelhantes aos verdadeiros de empresas conhecidas e anexam formulários e links de pagamento. As vítimas acreditam que são autênticos, informam dados pessoais e efetuam o pagamento.

Outra figura familiar é o ransomware, forma de invasão de sistemas com o objetivo de paralisar operações, também muito utilizado pelos criminosos que exigem valores exorbitantes de resgate com pagamento em criptomoedas para desbloquear os sistemas.

No entanto, com a LGPD em vigor desde setembro de 2020, as empresas estão melhorando a infraestrutura digital, investindo em cibersegurança, proteção de dados e privacidade para mitigar esses ataques. Deve haver maior rigor no acesso e sistemas dos dados pessoais para dificultar qualquer invasão.

Lembrando ainda que o Brasil está caminhando muito bem e ficou entre os três países das américas mais preocupados com a Agenda Global de Segurança Cibernética. Um exemplo desse comprometimento, é a criação de um espaço direcionado à cibersegurança, pela Anatel e a edição do Regulamento de Segurança Cibernética – Resolução nº. 740/2020, composto por prestadoras de telecomunicações. Para ficar mais próximo da sociedade e colaborar com o desenvolvimento de ações voltadas para a segurança cibernética, a Anatel disponibiliza o e-mail [email protected] (grupo técnico de segurança cibernética e gestão de riscos de infraestruturas críticas – gt-ciber).