A nova queridinha rede social de áudio: Clubhouse.

O assunto do momento é a rede social Clubhouse, que ficou conhecida quando Elon Musk (CEO da Tesla Motors), Ashton Kutcher (ator), Mark Zuckerberg (CEO do Facebook) aderiram ao aplicativo.

Criado desde março de 2020 por Rohan Seth (ex-funcionário do Google) e Paul Davison (empreendedor do Vale do Silício), sua característica específica é o áudio, toda comunicação é realizada através de fala.

É possível entrar no aplicativo apenas se convidado, lembrando que está disponível somente para sistema IOS. Cada usuário pode convidar duas pessoas, da mesma forma como ocorria no início das redes sociais Orkut e Facebook.

Ao fazer parte do Clubhouse, o usuário pode escolher um tema de seu interesse e a plataforma mostrará o que está disponível na timeline.

Há várias “salas” e o usuário pode entrar e participar do debate em tempo real. Ao entrar na sala, é possível ouvir a conferência e caso deseje participar, só levantar a mão e aguardar o moderador liberar sua fala. É possível criar salas com seus contatos, mas apenas para quem possui o sistema operacional da Apple.

O Clubhouse ficou famoso rapidamente, pois em apenas uma semana, milhões de pessoas do mundo aderiram à plataforma. Os criadores informaram que após a fase de testes, o aplicativo será aberto para todos, inclusive para outro sistema operacional (Android).

Dicas para os usuários do Clubhouse:

Em sua Política de Privacidade não há indicação de um DPO (Data Protection Officer), responsável pela proteção de dados pessoais da empresa, apenas um e-mail da área de suporte, support@alphaexploration.com para que os usuários possam corrigir alguma informação pessoal ou excluírem sua conta.

Por ser uma empresa americana, os direitos dos titulares são previstos apenas para os residentes no estado da Califórnia. Acreditamos que no decorrer do tempo poderá será modificada para os demais países, para não violar as leis locais específicas sobre proteção de dados pessoais e privacidade, sobretudo no Brasil, a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais – LGPD, em vigor desde 18.09.2020.

A Política também informa que os dados pessoais que foram coletados em território nacional são transferidos para os EUA (local do serviço e onde estão localizados os servidores da empresa).

Mas, muita atenção com as gravações dos áudios, visto que apesar da plataforma afirmar não ser possível, ela não controla as ações de outros usuários que possam utilizar dispositivos adicionais ou aplicativos para salvar e compartilhar o conteúdo, mesmo que o speaker tenha programado o modo “off the record”. Portanto, não há como saber se um usuário estiver utilizando apps externos para gravar a discussão, logo, cautela com o que é revelado nos áudios, como citações de pessoas identificadas ou de possível identificação para não violar sua privacidade.

Vale lembrar que há vários convites falsos circulando para acesso a plataforma, até mesmo por SMS exigindo confirmação de códigos. Caso receba esse tipo de solicitação, ignore e não informe qualquer dado.